Artigos

Por uma infância conectada e livre da violência sexual

Publicado em 09/04/2021

A internet é um ambiente democrático, dinâmico e sem fronteiras, que abre um universo de informações e possibilidades de comunicação. Mas ela tem riscos, como no “mundo real”. É preciso entender a dimensão pública desse espaço para acompanhar e orientar as crianças e os adolescentes a utilizar a internet, prevenindo a incidência de crimes como o abuso e a exploração sexual on-line, incluindo a pornografia.

Cada vez mais, crianças e adolescentes ficam em rede, principalmente através de smartphones e tablets, permitindo que fiquem mais tempo conectados e sem a supervisão dos adultos. Filtros e softwares de segurança podem ajudar, mas o acompanhamento presencial e o diálogo contínuo são as formas mais eficazes de proteção.

Nessa nova lógica de comunicação, surgem novos termos para explicar dinâmicas e fenômenos próprios do ambiente online. Conheça alguns:

SEXTING

Neologismo que mistura as palavras texting (digitar um texto, em inglês) com sex (sexo, em inglês). Sexting é o uso de redes sociais, aplicativos e dispositivos móveis para produzir e compartilhar imagens de nudez e sexo. A dimensão pública da rede pode fazer esse conteúdo se espalhar e expor crianças e adolescentes a situações vexatórias. Além disso, quem divulgar ou arquivar essas imagens pode ser penalizado por disseminar pornografia infantojuvenil.

CYBERBULLYING

Termo que denomina o bullying que acontece ou é intensificado e ampliado nos meios digitais. Sem controle de quem vê ou compartilha, os atos que expõem a criança ou o adolescente vítima podem gerar consequências extremas, como quadros graves de depressão e até mesmo o suicídio.

GROOMING

Grooming significa aliciamento em inglês. A expressão é usada para definir genericamente os meios de chantagem e assédio sexual através da internet.

Confira dicas gerais de navegação segura, que podem ser aproveitadas por pessoas de todas as idades, incluindo crianças e adolescentes.

  • Nunca divulgue senhas, nome completo, endereços, números de telefone ou fotos íntimas.
  • Você distribui qualquer foto sua no mural da escola, no ônibus ou na praia? Por que então divulgar na internet? Pense bem antes de publicar algo. Uma vez na rede, é impossível controlar o uso.
  • Evite gravar as senhas e login no computador para não facilitar roubos.
  • Comunique-se com educação. Respeito deve valer em qualquer espaço e com qualquer pessoa, mesmo aquelas que não conhecemos.
  • Cuidado ao baixar arquivos. Eles podem conter vírus, materiais impróprios ou até mesmo serem ilegais. Antivírus e filtros podem ajudar.
  • Nunca aceite que sites instalem programas em seu computador e não faça download de nada que você não saiba exatamente o que é e de onde vem.
  • Busque provedores e serviços que ofereçam recursos de segurança e que sejam éticos e responsáveis.
  • Dialogue sempre com amigos, parentes e professores para se manter informado sobre segurança na internet.
  • Sempre que vir alguma coisa inadequada, que fere os direitos humanos, denuncie em org.br

QUER SABER MAIS?

Acesse a cartilha Navegar com Segurança, desenvolvida pela Childhood Brasil para pais, educadores e responsáveis.

https://www.childhood.org.br/publicacao/Navegar_com_Seguranca.pdf

Fonte: www.childhoodbrasil.org.br

Compartilhe esse conteúdo

Postagens relacionadas

  • 09/09/2015

    Saiba mais
  • acolhimento de crianças e adolescentes vítimas de violência

    20/05/2021

    Saiba mais
  • 15/07/2021

    Saiba mais

One Comment

  1. Mônica Maria Souza Ribeiro 01/12/2020 at 17:15 - Reply

    Gostei muito da Cartilha. Elucida o tema de forma didática e agradável, fácil compreensão.
    O material poderia ser distribuído ao pais e responsáveis, educadores.

Leave A Comment